Países Nórdicos

A região nórdica é constituída pela Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia, bem como pelas respectivas regiões autónomas.

Um terço do abastecimento total de energia dos países nórdicos é renovável, e metade deste é isento de CO2. A Noruega desempenha um papel único, uma vez que praticamente toda a sua electricidade se baseia na energia hidroeléctrica em anos com chuvas normais. Existe um elevado grau de electrificação noutros sectores energéticos noruegueses, incluindo o aquecimento e uma difusão crescente de veículos eléctricos.

Na Suécia, metade da electricidade provém da energia nuclear e a outra metade da energia hidroeléctrica, com uma percentagem crescente de energia eólica. A Noruega e a Suécia promovem a electricidade renovável através de um sistema comum de quotas com certificados verdes transaccionáveis.

As misturas de electricidade na Dinamarca e na Finlândia incluem a produção térmica convencional (incluindo uma elevada proporção de produção combinada de calor e electricidade), bem como uma maior produção a partir de energias renováveis. A Dinamarca está a lutar por uma ambiciosa transição energética verde, denominada "den grønne omstilling". O principal objectivo é a implementação de um sistema de energia totalmente renovável em todos os sectores até 2050. A transição para um sistema de energia totalmente renovável implica uma mudança da energia do carvão para a energia eólica e para a biomassa na produção de electricidade e calor. Em 2014, a Dinamarca estabeleceu um novo recorde ao cobrir 39% do seu consumo de eletricidade com energia eólica. Alguns dos desafios relacionados com a transição energética dinamarquesa são semelhantes aos encontrados no quadro da "Energiewende" alemã.

Tanto a Finlândia como a Dinamarca aplicam diferentes variantes de tarifas de aquisição/prémios de preços para promover as energias renováveis (e sistemas de concurso para a energia eólica offshore na Dinamarca).

Os países nórdicos têm uma experiência substancial na integração das fontes de energia renováveis em diferentes sectores e no equilíbrio de poderes entre regiões. Isso proporciona lições valiosas para a transição energética alemã. A integração do mercado da electricidade progrediu muito cedo nos países escandinavos.

Os mercados nórdicos incluem o mercado Elspot (dia anterior), o comércio intradiário (Elbas) e o mercado de equilibração nórdico (NOIS). A Dinamarca é a "ponte" entre a Alemanha e os outros países nórdicos, com interconexões a partir da Dinamarca Ocidental e Oriental até ao Norte da Alemanha. No futuro, haverá também uma linha de transmissão directa da Alemanha para a Noruega quando a NordLink for construída.

Gestão de Projectos

Todo o conteúdo

Mantenha-se em contacto - subscreva a nossa Newsletter!

]>